Globo renova direitos de TV da Série B por R$ 900 milhões

A emissora, que continuará transmitindo a Segundona até 2022, cobriu a proposta do Esporte Interativo, que era de R$ 85 milhões por ano

15:45

A emissora, que continuará transmitindo a Segundona até 2022, cobriu a proposta do Esporte Interativo, que era de R$ 85 milhões por ano

Divulgação

As negociações chegaram ao fim e os clubes da série B decidiram, após reunião na CBF, renovar o contrato com a Globo. Segundo apurou a De Prima, o investimento no pacotão da Segundona será de R$ 900 milhões referentes a cinco temporadas (de 2018 a 2022).

Como o contrato atual ainda expira ao fim de 2017, ficou acordado entre as partes a realização de um adiantamento de R$ 57 milhões, sem juros e correção monetária. Com isso, os clubes vão receber e dividir entre si, até o final de novembro, R$ 17 milhões (R$ 1 milhão para cada um, já que Botafogo, Bahia e Vitória não entram na conta por terem contratos de Série A). Nos dois anos seguintes (2016 e 2016), o adiantamento será de R$ 20 milhões cada. Com os adiantamentos, a projeção é que cada clube receba por volta de R$ 5 milhões por temporada, um aumento percentual significativo, já que o embolso atual é de R$ 2,7 milhões líquidos por ano.

É importante entender que os clubes não embolsarão diretamente o montante todo de R$ 900 milhões do contrato novo. Como a Globo pagou pelo pacotão, ela incluiu na conta a projeção de gastos com arbitragem e premiação, por exemplo, além dos direitos de transmissão, obviamente.

O acordo prevê um crescimento de investimento com o passar do tempo e ficou desenhado da seguinte forma – sem levar em conta o desconto do adiantamento:

2018 – 170 milhões
2019 – 170 milhões
2020 – 180 milhões
2021 – 190 milhões
2022 – 190 milhões

Os clubes da Série B toparam, apesar de terem sonhado com pacote de R$ 200 milhões por ano.

O Esporte Interativo também chegou a fazer uma proposta oficial pela Série B, mas não conseguiu fisgar os dirigentes. A emissora ofereceu R$ 85 milhões/temporada somente pelos direitos de transmissão para TV fechada. Segundo dirigente ouvido pela coluna, foi levado em conta o quanto os clubes têm atualmente de exposição na Globo e o efeito que isso tem junto aos patrocinadores. Para eles, haveria queda de visibilidade e o reflexo poderia ser a queda de patrocínios.

Os clubes aproveitaram a reunião na CBF para fazer uma lista de pedidos a entidade e emissora. Uma solicitação, por exemplo, é o fim do horário das 21h30 às sextas-feiras, tendo 21h como limite máximo para jogos. Os clubes querem ainda mais matérias no Premiere FC e, por exemplo, um evento de lançamento do campeonato, como meio de valorização.

Fonte: De Prima/Lancenet
Ouça a Rádio Estação Play em seu Computador, Tablet ou Celular pelos aplicativos RadiosNet e TuneIn.
Curta a página oficial Portal Mídia Esporte no Facebook e @midiaesporte no Twitter.

Compartilhe

Editor e administrador do Portal Mídia Esporte.
Contato: midiaesporte@gmail.com

Leia mais

Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »