Header Ads

Galvão Bueno cobra mais respeito de jogadores à seleção brasileira

O narrador da Globo não gostou da atuação do Brasil no empate com o Paraguai

O narrador da Globo não gostou da atuação do Brasil no empate com o Paraguai



Por UOL Esporte vê TV (Redação) - Durante mais uma atuação ruim da seleção brasileira, desta vez no sofrido empate por 2 a 2 com o Paraguai, nesta terça (29), sobraram críticas de Galvão Bueno, Casagrande e até de Arnaldo Cezar Coelho na transmissão da Rede Globo. O narrador e o comentarista cobraram mais respeito dos jogadores ao vestir a camisa brasileira, enquanto o analista de arbitragem reclamou da falta de liderança.

Com o placar adverso, 1 a 0, no primeiro tempo, Galvão desabafou: “a gente sempre recebe mensagens de brasileiros que acompanham a seleção há muito tempo, gente que diz assim: 'será que não aprendemos nada depois do 7 a 1?'. Ou seja, há um estado de espanto com o que acontece com a seleção brasileira.''

Na etapa final, o narrador concordou com o comentarista Walter Casagrande. Ambos não gostaram da entrada de um atacante, Hulk, no lugar do volante Fernandinho. Preferiam o meia Lucas Lima, para melhorar a criação do time brasileiro.

“Eu acho que com William, Lucas Lima e Renato Augusto você passa a ter mais qualidade'', comentou Galvão.

Já com o placar de 2 a 0 contra, foi a vez do analista de arbitragem Arnaldo Cezar Coelho dar seu pitaco na transmissão. “Galvão, no jogo contra o Uruguai o Júnior e o Casagrande falaram que o Brasil precisava de um líder. Perdendo de 2 a 0, é nessa hora que o líder tem que reunir os jogadores.''

A equipe global elevou o tom das críticas. “Tem coisas que independem de geração: comprometimento, gostar e ter orgulho de jogar na seleção brasileira, respeitar o torcedor e sentir quando perde uma partida, se comprometer com uma vitória. Mudaram umas coisas pra pior'', queixou-se Casagrande.

“Você foi bonzinho, mudaram pra muito pior'', colocou mais lenha o narrador. “Tem alguma coisa a mais que simplesmente ser um jogador importante, de um clube grande da Europa, vir e chegar aqui pra jogar. Tem coisa mais importante que isso quando se joga com a camisa da seleção brasileira'', complementou Galvão.

Inconformado, Casagrande voltou à carga: “eu não suporto mais jogador de futebol que serve à seleção e que quando perde diz que não tem nada a provar para ninguém. Quem joga na seleção brasileira tem sempre que provar alguma coisa. Tá jogando pra 200 milhões de pessoas, que torcem pra você, que viram você crescer e querem que você jogue. Você vestir a camisa da seleção tem que ser a coisa mais importante na sua vida profissional.''

Pouco tempo depois, quando o repórter Tino Marcos comentou que o Brasil é o país com o maior número de jogadores nos times classificados às quartas de final da Liga dos Campeões da Europa, Galvão fez a ressalva: “não tem nenhum protagonista. É a primeira vez na história que o Brasil não tem nenhum protagonista em nenhum time importante, porque o protagonista do Barcelona é o Messi, não é o Neymar, e o Brasil sempre teve isso'', disparou.

Após alterações que tornaram o time mais criativo, entre elas a entrada de Lucas Lima, pedido por Galvão e Casagrande, a seleção arrancou um suado empate com os paraguaios, mas não o suficiente para empolgar muito o narrador.

“Melhor do que sétimo, sexto [lugar na classificação], mas não é uma maravilha, não é um espetáculo, né? Teste pra cardíaco para o torcedor brasileiro'', disse, mais aliviado do que satisfeito, no encerramento da transmissão da Globo.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece nos bastidores da mídia esportiva em tempo real? Então curta nossas páginas no Facebook (facebook.com/midiaesporte) e Twitter (twitter.com/midiaesporte).
Tecnologia do Blogger.