Esporte Interativo adota estratégia para levar "seus clubes" até a Série A; saiba qual

Dos 14 clubes que assinaram com a rede ligada à Turner, apenas seis estão na Série A em 2016

13:51

Dos 14 clubes que assinaram com a rede ligada à Turner, apenas seis estão na Série A em 2016



Por UOL (Blog do Menon) - O Esporte Interativo fechou com 14 clubes os direitos de transmissão da Série A na TV fechada a partir de 2019. O total acertado é de R$ 550 milhões, divididos por 20 clubes. Se não conseguir os 20, o dinheiro será proporcional. No caso de 14 clubes, o EI gastará R$ 385 milhões. São R$ 27,5 milhões para cada um. Nove vezes mais do que paga o Sportv.

O problema para a rede ligada à Turner é que, dos 14 clubes que assinaram, apenas seis estão na Série A em 2016: Coritiba, Furacão, Inter, Santos, Ponte Preta e Santa Cruz. Se o contrato começasse a partir do próximo ano, haveria poucos jogos a serem transmitidos.

A intenção é aumentar o número de clubes na Série A em 2019. E o Esporte Interativo tem uma estratégia para que “seus'' clubes ascendam. São quatro itens:

1) LUVAS – As equipes que assinaram com o EI receberam luvas, um dinheiro extra que não precisa ser devolvido. Com esse dinheiro extra – no mínimo girando em R$ 30 milhões – há a esperança de um planejamento bem feito que permita a formação de bons elencos.

2) PATROCINADORES – Os patrocinadores dos 14 clubes receberão um tratamento muito amistoso. As marcas serão exibidas constantemente, sem nenhuma “censura'' e os “naming rights'' serão preservados. Se o clube vendeu o nome do estádio, esse nome será mostrado e pronunciado abundantemente.

3) REDES SOCIAIS – O Esporte Interativo tem 12,3 milhões de seguidores no facebook, 1,4 milhão no twitter e 1,5 milhão no Instagram. São ferramentas fortes e serão usadas para divulgar os clubes e seus patrocinadores.

4) SÓCIO TORCEDOR – Há uma campanha constante nas redes sociais e nas transmissões para que os clubes consigam aumentar sua base de sócios torcedores.

Assim, com dinheiro direto – luvas – e indireto, a esperança é que haja bem mais que cinco clubes na Série A. Uma das apostas é o Fortaleza, que há quatro anos “bate na trave'' e não consegue sair da Série C.

Além dessa ajuda “vertical'', do Esporte Interativo, há ainda a possibilidade de uma ajuda “horizontal'' entre os próprios clubes. É o que explica Marcelo Santana, 35 anos, presidente do Bahia. “Nunca aceitarei forjar um resultado, nunca afrontarei o estritamente esportivo, mas se tivermos jogadores disponíveis que podem ajudar outras equipes, darei preferência aos que estão conosco nessa luta. Quantos mais formos na Série A, melhor para todos''
Ouça a Rádio Estação Play em seu Computador, Tablet ou Celular pelos aplicativos RadiosNet e TuneIn.
Curta a página oficial Portal Mídia Esporte no Facebook e @midiaesporte no Twitter.

Compartilhe

Editor e administrador do Portal Mídia Esporte.
Contato: midiaesporte@gmail.com

Leia mais

Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »