Dirigentes revelam que Esporte Interativo deve assinar com 8 clubes até o fim de janeiro

O canal esportivo da Turner pode, ainda nesta semana, selar um contrato 3,6 vezes maior que o concorrente SporTV

19:51

O canal esportivo da Turner pode, ainda nesta semana, selar um contrato 3,6 vezes maior que o concorrente SporTV



O domínio dos direitos de TV fechada do Campeonato Brasileiro pela Globo, por meio dos canais SporTV, está prestes a ser quebrado pela força financeira do Esporte Interativo, canal comprado pela Turner Broadcasting System.

VEJA TAMBÉM

São Paulo confirma conversa com Esporte Interativo, mas prioridade é fechar com a Globo

Proposta do Esporte Interativo pelo Brasileirão não agrada ao Flamengo


Segundo o site Hoje em Dia, o clube mais animado em selar o acordo é o Santos. Com relação conturbada com a Globo, o Peixe tomou a frente nas negociações. O EI negocia com oito clubes e pode, ainda nesta semana, selar um contrato 3,6 vezes maior que o concorrente SporTV.

“A coisa deve evoluir somente na semana que vem. Devemos avançar. Na realidade nós somos sete clubes (o São Paulo ainda estuda a proposta da Globo). Não posso confirmar esses valores. Mas é bastante grande (a diferença entre as propostas entre SporTV e Esporte Interativo)”, afirma o presidente santista, Modesto Roma Junior.

O Coritiba também demonstra confiança na assinatura do novo contrato com a TV fechada. Na avaliação do presidente do clube paranaense, Rogério Bacellar, a proposta do EI “é bem atraente”.

“Existe a negociação, e elas estão bem adiantadas. Inclusive a Globo ficou de mandar uma proposta, mas não a apresentou. (A do Esporte Interativo) É bem atraente. Acredito que irão fechar com os clubes. Não tenho dúvida de que já possuem os oito times. Eu acredito que até o final do mês tudo estará resolvido”, explica Bacellar.

Por outro lado, outros sete clubes, como Atlético-MG e Cruzeiro, já ampliaram o contrato com a Globo até o final de 2020, englobando os direitos de transmissão das partidas na TV aberta, TV fechada (SporTV) e Pay-per-view (Premiere). O antigo vínculo vencia em 2018. E, por já terem um compromisso com a maior emissora do país, os dois clubes mineiros deixaram o trem carregado de dinheiro do EI passar batido.

“Nós tínhamos um contrato com a Globo e tivemos uma conversa antecipada para aumentar este vínculo. Então, nem houve a oportunidade de conversar com outras empresas”, afirma Robson Pires, diretor comercial e de marketing do Cruzeiro.

Se o Cruzeiro nem chegou a iniciar conversas, o Galo até foi sondado pelo EI, mas acabou acertando com a Globo em uma “condição favorável”, de acordo com um membro da cúpula alvinegra consultado.

O canal da Turner, a partir de 2019, pretende ganhar os direitos dos jogos na TV fechada. A oferta total é de R$ 220 milhões, a ser dividida entre os oito clubes que demonstraram interesse, contra R$ 60 milhões do “canal campeão”. São eles o Grêmio, Inter, Atlético-PR, Coritiba, Fluminense, Bahia, Santos e, muito provavelmente, o São Paulo.

Além da disparidade econômica, o dinheiro do EI é repartido seguindo o modelo da Inglaterra. Já a grana do SporTV é distribuída, principalmente, em função da classificação na tabela. Em 2015, o Corinthians levou R$ 10 milhões para casa. O Cruzeiro, 8º colocado, ficou com R$ 1 milhão. Os rebaixados não sentiram nem o cheiro do dinheiro.

Na proposta do EI, 50% do montante (R$ 110 milhões) é distribuído igualmente. Ou seja, dos oito clubes prestes a firmar o acordo, cada um já garantirá R$ 13,75 milhões da TV Fechada, mesmo se forem rebaixados. Dos 50% restantes, metade é proporcional à audiência e os outros 25%, ao desempenho.

Se conseguir fechar com os oito clubes ainda neste mês, o Esporte Interativo (EI) promoverá uma limitação na grade do SporTV. Conforme diretrizes da Lei Pelé, uma emissora só poderá transmitir determinado jogo do Brasileirão se tiver contrato com as duas equipes envolvidas nesse confronto. Assim sendo, o canal pertencente à Globo, pode ser impedido de transmitir os jogos dos oito clubes que tendem a fechar contrato com o EI. Ou seja, são 304 partidas, das 760 em uma edição de Brasileirão (20 clubes).

Para evitar qualquer tipo de retaliação da concorrente, o EI estuda adicionar uma cláusula nos contratos dos “oito rebeldes”, que seria a compra dos direitos da TV aberta, algo a ser repassado para outra emissora concorrente direta da Globo, como Bandeirantes, Record, SBT ou RedeTV. Além de Cruzeiro e Atlético, a Globo já assinou a renovação contratual, até 2020, segundo o Portal Uol, com Corinthians, Botafogo, Vitória, Sport e o rebaixado Vasco.

A carta na manga da Globo teria sido o pagamento de luvas, de R$ 30 milhões, pela renovação de contrato, valor que deve ser abatido no montante dos contratos. Vale ressaltar que houve uma queda de 20% a 25% no valor repassado pela Globo aos clubes, em decorrência de dificuldade de arrecadação da emissora. Por outro lado, o EI pretende fazer igual jogada, de antecipação de cota, também no formato de luvas, com os mesmos valores da Globo.

Da Redação/Portal Mídia Esporte
Ouça a Rádio Estação Play em seu Computador, Tablet ou Celular pelos aplicativos RadiosNet e TuneIn.
Curta a página oficial Portal Mídia Esporte no Facebook e @midiaesporte no Twitter.

Compartilhe

Editor e administrador do Portal Mídia Esporte.
Contato: midiaesporte@gmail.com

Leia mais

Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »