Header Ads

Suposto erro no contrato gera impasse entre Esporte Interativo e clubes

Dirigentes questionam diferença entre o valor que as equipes dizem ter acordado e o que efetivamente aparece no contrato assinado

Reprodução

Os clubes que fecharam acordo com o Esporte Interativo para transmissão dos jogos do Campeonato Brasileiro na TV fechada (período 2019-2024) estão questionando a emissora por um supusto erro no valor que foi acordado verbalmente entre as partes.

De acordo com informações do jornal 'Gazeta do Povo', o principal impasse é uma diferença de aproximadamente R$ 147 milhões entre o que as equipes dizem ter acordado e o que efetivamente aparece no contrato assinado por todos os presidentes.

O problema está nas luvas de assinatura prometidas -– e pagas antecipadamente – aos clubes parceiros do canal. Enquanto representantes de alguns times garantem que os prêmios são valores à parte e não entram no montante total do contrato, o EI descontou as quantias do montante a ser dividido.

A questão foi descoberta recentemente. Três clubes se reuniram com o canal na semana passada para apontar o suposto erro. A resposta, no entanto, foi de que o contrato está correto. A justificativa é que as luvas abatidas fazem parte de um adiantamento. Desde então, o assunto é tema recorrente de negociação. Dirigentes a par da questão estão indignados, mas a grande maioria ainda não se atentou à divergência.

Palmeiras, Santos, Atlético-PR, Bahia e Coritiba receberam R$ 40 milhões cada como luvas do EI. Já o Internacional, cujo vínculo é de apenas dois anos, levou R$ 13,6 milhões. As outras equipes ligadas ao canal (Ceará, Criciúma, Figueirense, Fortaleza, Paraná, Paysandu, Ponte Preta, Santa Cruz, Joinville e Sampaio Corrêa) receberam valores menores, negociados caso a caso.

O valor total a ser dividido pelos clubes sequer aparece explicitamente no contrato com Esporte Interativo. Há anexos com quantias referentes a cada clube e a soma corresponderia ao bolo total, caso o canal conseguisse a assinar com todos os 20 clubes da Série A.

O EI anunciou que acordo valia R$ 550 milhões por temporada. O montante real, contudo, é proporcional ao número de equipes. Atualmente, com sete clubes da primeira divisão sob contrato, a fatia seria de R$ 192,5 milhões por temporada -- na visão dos clubes. Seguindo o que está no papel, porém, o resultado diminuiria consideravelmente e ficaria na casa dos R$ 141 milhões.

O somatório pode variar a cada temporada por causa do acesso e descenso – e também do valor previamente atribuído a cada equipe. O modo de rateio segue como o divulgado: 50% (dividido igualmente), 25% (desempenho) e 25% (audiência).

“O que os Conselhos Deliberativos aprovaram é diferente do que está no contrato”, afirmou um dirigente à publicação em condição de anonimato. “O contrato com o EI é estranho em relação a tudo que foi divulgado na época. Os presidentes assinaram um contrato diferente do que foi divulgado. E isso impacta todos que fecharam”, completou.

Procurado, o canal disse via assessoria de imprensa que não iria se manifestar. “Em respeito aos clubes e às cláusulas de confidencialidade, o Esporte Interativo não comenta contratos”.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece nos bastidores da mídia esportiva em tempo real? Então curta nossas páginas no Facebook (facebook.com/midiaesporte), Twitter (twitter.com/midiaesporte) e Instagram (instagram.com/midiaesporte).

Quer anunciar no Portal Mídia Esporte? Entre em contato com a nossa equipe no email midiaesporte@gmail.com e solicite uma proposta.




Tecnologia do Blogger.