Clubes aceitam redução de 25% das cotas para receber adiantamento da Globo

A condição foi aceita por Atlético Mineiro, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Sport, Vasco e Vitória

23:07

A condição foi aceita por Atlético Mineiro, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Sport, Vasco e Vitória



Atlético Mineiro, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Sport, Vasco e Vitória aceitaram as condições para renovação do contrato com a TV Globo a partir de 2019 e isso diminuirá os ganhos do contrato atual em até 25%. Segundo o blog do jornalista Paulo Vinicius Coelho, a informação foi confirmada pelo presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira.

VEJA TAMBÉM

Presidente do Botafogo explica renovação com a Globo pelo Brasileirão

Bahia crê em retaliação da CBF por negociar com Esporte Interativo pelo Brasileirão

São Paulo divulga propostas de Esporte Interativo e Globo pelo Brasileirão


O dirigente botafoguense explica que aceitou as condições, porque precisava do adiantamento oferecido pelo novo contrato, em torno de R$ 40 milhões. “Não é uma redução pura e simples, mas condicionada aos ganhos que teremos pelo adiantamento'', explicou Pereira.

O Botafogo confirma que essa condição foi imposta nos contratos, mas pode falar especificamente sobre o seu próprio acordo. Como cada contrato é individual, é possível que existam condições diferentes para alguns outros clubes. Mas a informação é que os adiantamentos foram condicionados à redução do contrato em vigência para todos os que assinarem a partir de 2019.

“Eu ainda não sei. Vou fazer reunião nesta semana'', diz o presidente do Corinthians, Roberto de Andrade.

O São Paulo não aceitou a condição imposta e negociou separadamente. O contrato que será apreciado pelo Conselho Deliberativo nesta terça-feira tem proposta da Rede Globo de pagar R$ 60 milhões de luvas, não adiantamento. Luvas são uma recompensa pela assinatura, não uma antecipação descontada adiante, como nos casos de Atlético, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Sport, Vasco e Vitória.

Além disso, o São Paulo coloca em contrato a obrigação de divisão equilibrada de cotas, no contrato entre 2019 e 2024. Ou seja, uma adaptação do modelo inglês do rateio do dinheiro: 40% igualmente, 30% por performance e 30% por exposição.

“Nós também recebemos esse compromisso'', diz o presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira. Diferentemente do São Paulo, isso não está em contrato, no caso botafoguense.

Flamengo e Palmeiras têm neste momento as posições mais soberanas. Não precisam de antecipações e não procuram nem Rede Globo nem Esporte Interativo para negociar as renovações. O contrato acaba em 2018 e, até agora, a intenção das duas diretorias é negociar o novo acordo apenas quando o atual estiver próximo do fim. Até lá, as condições do país, dos clubes e das emissoras podem ser diferentes do que o mercado indica atualmente.

EI quer paz com a Globo

De acordo com o Blog do Menon, do UOL, a estratégia do Esporte Interativo na luta pela pelos direitos do Campeonato Brasileiro a partir de 2019, se baseia em dois pontos principais.

Um deles é explicar que sua proposta deve ser comparada com o SporTV e não com as Organizações Globo. No outro ponto, o EI deixa claro que não pode haver retaliação da Globo para quem não optar pelo Sportv como plataforma de televisão fechada.

O canal da Turner explica aos dirigentes de clubes que as negociações são separadas. É possível aceitar a proposta do Esporte Interativo, de R$ 550 milhões, para a TV fechada e a da Globo, de um pouco mais de R$ 1 bilhão, para a tv aberta. No entanto, a Globo não explica esse desmembramento e prefere sempre falar na proposta para todas as plataformas.

Na batalha pelo convencimento, a partir do conhecimento dos números e do aprofundamento das propostas, há indícios de que dirigentes dos clubes começam a ouvir com mais atenção e ver com bons olhos a oferta do EI.

Caso um clube aceite o oferta do EI para a TV fechada e a Globo diminua a cota oferecida atualmente ao mesmo clube para a TV aberta, haveria intervenção do Cade (Conselho Administrativo da Defesa Econômica), que inclusive foi incisivo na última negociação, quando impediu cláusula de preferência e obrigou a negociação dividida em três plataformas: TV fechada, TV aberta e pay-per-view.

O mercado trabalha também com movimentação no meio jornalístico, caso os direitos sejam conquistados pelo Esporte Interativo. Haveria contratações para reforçar a atual equipe, que já trabalha em competições importantes como a UEFA Champions League e a Copa do Nordeste.

Da Redação/Portal Mídia Esporte
Ouça a Rádio Estação Play em seu Computador, Tablet ou Celular pelos aplicativos RadiosNet e TuneIn.
Curta a página oficial Portal Mídia Esporte no Facebook e @midiaesporte no Twitter.

Compartilhe

Editor e administrador do Portal Mídia Esporte.
Contato: midiaesporte@gmail.com

Leia mais

Próxima
« Anterior
Anterior
Próxima »